Dirigir no inverno – condições severas

dirigir no inverno - Rek Parking

Os próximos três meses podem ser de frio intenso com geada, neve e fortes chuvas.

A estação mais fria do ano começou no Hemisfério Sul e, em 2022, ela promete ser bem rigorosa. Segundo o MetSul, “será mais frio que a média dos últimos anos e menos chuvoso que o habitual”. Além disso, com eventos como geada, neve, temporais intensos e granizo. Essa combinação de fatores exige cuidados ao dirigir no inverno, por isso separamos algumas dicas.

Muitas das cidades onde a Rek Parking atua irão enfrentar temperaturas perto ou até abaixo de zero. Aqui podemos destacar Gramado e Canela que podem ter, pelo segundo ano consecutivo, a presença da neve. Já as cidades mais próximas da fronteira, como Bagé, podem ter “episódios de vento muito intenso”. Quem mora nessas localidades sabe que o cuidado com o carro deve ser redobrado. Ele, como nós, sofre muito com o frio.

O ideal é investir em medidas preventivas e, entre elas, fazer aquele check-up. Além de cuidar do veículo, também é preciso estar atento a forma como deve dirigir no inverno. Lembrando que, você, ao longo dos próximos três meses, pode enfrentar neblina, pista molhada ou coberta de gelo.

Dicas para dirigir no inverno 

Neblina

Também chamada no Sul de serração. Ela é formada pela condensação da umidade graças a baixas temperaturas. Dessa forma, formando uma “nuvem” próxima ao solo e atrapalhando a visão horizontal por, aproximadamente, mil metros. Ou seja, você perde a visibilidade de quase 1 km de estrada.

Quem já dirigiu durante uma neblina sabe que ela requer atenção redobrada. Primeiramente, é imprescindível que toda a parte de iluminação do carro esteja funcionando, principalmente os faróis baixos e as luzes de neblina. O limpador de para-brisa também é fundamental, já que muitas vezes essa “nuvem” carrega muita poluição e sujeira.

Por fim, sempre mantenha a distância dos outros veículos e evite frear bruscamente. Nessas condições o freio pode não corresponder tão bem devido a umidade da pista. Bem como, o motorista de trás pode não enxergar a sua parada.

Geada

Podemos dizer, a grosso modo, que a geada é o orvalho congelado. Ela ocorre quando a temperatura cai abaixo do ponto de congelamento (0 graus), transformando o vapor de água existente do ar em cristais de gelo. Assim, cobrindo todas as superfícies, inclusive os carros.

Isso, a longo prazo, pode trazer prejuízos a pintura do veículo. Nesse sentido, a utilização de manta protetora e reaplicação de cera ajudam a proteger quando utilizada vagas externas. Jamais jogue água quente para tirar essa camada, o ideal é que deixe derreter naturalmente ou passe um pano.

Mesmo com temperaturas tão baixas, o seu carro não precisa ficar “esquentando”, principalmente se tiver injeção eletrônica. Inclusive, aconselha-se a nos primeiros quilômetros dirigir mais devagar para que ela faça esse aquecimento. Já nos carros flex, o tanque de partida frio fará o trabalho, por isso mantenha-o sempre cheio de gasolina.

Neve

Temos a tendência de pensar que se tem neve está mais frio, mas não é necessariamente uma verdade. Trata-se de um fenômeno meteorológico causado pela queda abrupta da temperatura. O processo é o mesmo da Geada, mas invés do solo o congelamento se dá na nuvem.

Apesar de lindo, o problema é que ela deixa a pista altamente escorregadia. Nesse sentido, os veículos 4 x 4 levam vantagem. O ideal é verificar os pneus, eles podem mudar de pressão no frio. Assim, monitore a calibragem para garantir a sua eficiência.

Aqui vale a mesma dica de dirigir na neblina: mantenha a distância segura dos outros veículos e evite freadas bruscas para não derrapar.

Frio intenso

Praticamente todas as atividades do cotidiano ficam mais difíceis quando enfrentamos temperaturas severas, seja muito frio ou muito calor. Não seria diferente com dirigir no inverno. Primeiramente, o carro pode sofrer com os termômetros baixos exigindo mais trabalho da bateria. Além disso, mangueiras de motor e correias podem ressecar mais rapidamente e merecem uma revisão constante.

O aquecedor também precisa de atenção. Como ele fica um período sem uso pode acumular fungos, bactérias e poeira. Assim, agravando casos de asma ou bronquite e até transmitindo doenças respiratórias. Nesse sentido, o veículo sempre fechado também pode ser um local de transmissão, principalmente se você leva caronas diferentes.

Por fim, fique atento aos vidros embasados que atrapalham a visibilidade. Aqui, também o para-brisa é importante. Por isso verifique se há a necessidade de troca das borrachas que podem ressecar.

Granizo

A famosa chuva com pedras de gelo. Ela é causada em nuvens que estão abaixo de zero graus e acabam congelando a água em grandes pedras. Quando a temperatura está mais altas, elas caem em tamanhos menores ou derretem pelo caminho. No entanto, nas baixas podemos ver granizo até do tamanho de uma bola de golfe.

O melhor conselho é não dirigir nessas condições. As pedras podem amassar a lataria do carro ou trincar os vidros. Caso você seja pego de surpresa por ela, diminua a velocidade e procure um local seguro para estacionar.